sábado, 3 de fevereiro de 2018

Roca de Pias - Serra do Gerês

Uma bela volta de 15km por zonas bem conhecidas da Serra do Gerês, com um extra de, calcar pela primeira vez o trilho bastante inclinado que leva da Roca de Pias( ou Cutelo) até ao Rio Conho/Entre-Águas. Embora a descida seja para um caminhante experiente, relativamente fácil de seguir, poderá desencorajar outros por causa do declive bastante acentuado. Existem mariolas ao longo de todo o trajecto no entanto. As vistas para o vale do Conho são predilectas e do cimo da Roca, se avista para norte todo o enquadramento do Prado da Roca Negra e Rocalva...os dois guardiões maiores. Para sul, o Vale do Conho...





Pontos de Passagem

Arado
Coriscada
Arrocela
Cando
Rocalva
Cutelo de Pias (1262m)
Entre-àguas
Poço Azul
Curral dos Portos

 A Cascata do Arado está nestes dias, pujante.


Nestes dias de inverno solarengo, pode o caminheiro desfrutar plenamente da experiência desta actividade. Em actividade, o frio exterior equilibra o calor interno, e tudo se desenrola na perfeição.

Ainda metidos no reino da sombras 


Infelizmente, a montanha ainda não é sempre respeitada.





A caminho da Arrocela 


Certas passagens parecem à primeira vista ser difíceis ou até assustadoras, ou até impossíveis a alguma distância, mas, à medida que os passos se alargam, vemos que o caminho existe, é bonito, seguro e recompensador. Esse prazer da descoberta é força motriz que nos faz sempre regressar à natureza. 








 A caminho do Cando



 Um dos mais belos recantos da serra, guardado pela Roca Negra

 Fugindo ao caminho tradicional para a Rocalva


 Roca Negra pelas costas, rumo à Rocalva














 A tirar as medidas

Os fieis companheiros: Tuli e Chewbacca.





Um plano preveligiado para os gaurdiões desta galáxia serrana: Roca Negra e Rocalva



 Do outro lado da Roca de Pias, a vertigem...

 Tudo se equilibra, de uma forma ou de outra.
 A paz e a contemplação, preciosas...

 O Vale do Conho

 Pelas costas, a Roca de Pias...

 O estreito...



 Forno de Entre-águas



 O Poço Azul que nunca foi azul, mas sim esmeralda :)

Em janeiro não há multidões, aliás, não ha nada...finalmente a paz nestas bandas.


 Última vista do Rio Conho...









E pronto...se a reportagem vos encorajar para o contacto com a natureza, já ficaremos felizes.

Abraço dos bichos dos Matos.





Sem comentários: