Respeito

Caminhar na natureza é das experiências mais saudáveis que conheço. Em todos os aspectos, esta actividade, apesar de poder ser levada a extremos, é geralmente acessível a toda a gente com um mínimo de mobilidade. As virtudes são muitas: o relaxamento interior, o convívio salutar, a observação do  espectáculo da natureza, o reforço da vitalidade, etc etc.
 
Quando estamos embrenhados na natureza, alguma coisa nos faz diluir as preocupações da rotina diária. Falo também da qualidade energética dos fenómenos naturais, que são comprovadamente conducentes à regeneração das células. Desde que participo em actividades de natureza, não me lembro de nunca ter assistido a conversas negativas ou zangas, muito pelo contrário. Tampouco assisti, a acidentes, salvo uma amiga que torceu um pé, e isso em tantos km acumulados ao longo dos anos, é nada(ela não concordará). Eu pessoalmente, ainda não fui vítima de nenhuma mazela, tirando claro, frio, calôr, e os contrastes naturais de quem quer ser vivificado. Isto leva-nos a outras questões:  a segurança(abordada em página própria)
 
Para mim, é um contrasenso, prepararmo-nos para disfrutar da natureza, e receber tanto em troca, para depois a agredirmos com lixo ou destruição. Deixarmos por lá as nossas pegadas é mais que suficiente. Já assisti a situações de atentados ambientais que são intoleráveis, e não me verão pactuar ou alinhar com quem os pratique. Perturbar em demasia o silêncio, ou destruir a flora sem que houvesse absoluta necessidade sería criminoso. Já presenciei um cavalheiro que em zona de protecção total, na serra do Gerês, caminhava com um auto rádio em grande volume. Um exemplo de muitos outros infelizmente. Eles andam aí.
 
O respeito nestas actividades também se pratica com os companheiros, gentes locais e os aimais. No último caso, é interferir o menos possível com eles.

Se a palavra egoísmo, tem algum significado neste contexto, então, saberão que abomino a práctica da caça, e dos desportos motorizados como actividade "desportiva".

Ultimamente também venho a reflectir sobre os próprios conteúdos que publico neste nosso espaço, pois informação específica sobre algumas coisas, pode ajudar os mal-intencionados a atingir o seu objectivo. O sentido da preservação obriga portanto, a cuidado permanente.
 
Creio que também o respeito por nós mesmos é absolutamente essencial. Ao agredirmos, estamos a falhar na primeira pessoa. Ao agredir, estamos a subverter o objecto da nossa adoração e a dar um exemplo negativo, ao mais novos que nos acompanham.
 
  
Enviar um comentário