quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Pelos Currais de Fafião

Um belo dia de Agosto, não exageradamente quente, em que o sentido da descoberta prevalece sobre muitos outros. Desde Fafião até à Ponte de Matança, cerca de 30minutos. Porque se chama assim esta passagem? Ao certo é difíçil dizer. Os locais dizem que dos vivos ninguém sabe. Outro local entre a Lamalonga e Castanheiro também assume este nome, mas provavelmente será por razões diferentes: podería ser por encontros idos entre cristãos e mouros, entre galegos e portugueses, ou franceses e portugueses? A conclusão se tira é que estas remotas paragens são palco de episódios históricos por onde muita gente tem andado, e se calhar muito mais do que hoje. A serra era utillizada pelas gentes e povos por razões de utilidade ou necessidade e não tanto seguramente, por lazer e turismo.

Na outra margem do Rio Fafião sobe-se até ao Bebedoiro e Cortiço, e ainda um outro que não chegámos a visitar, o de Lagarinho. Continuando a subida até ultrapassar os mil metros de altitude, o muito belo Curral da Amarela, espera os trepadores como um consolo para os olhos, para os ressequidos e cansados. Este curral proporciona água fresca de nascente, um pouco abaixo, mesas de repasto, boa sombra de carvalho e um abrigo bem isolado das intempéríes. Ali perto, o miradouro natural onde existe um marco triangular e onde se pode avistar uma paisagem, que só estando lá se percebe. Demorámo-nos largamente a apreciar este singular espectáculo, uma primeira fila para a Corga do Rio Laço(Vale lhe chamam), o Curral do Iteiro D´Ovos, A Rocalva, o Curral da Touça, Sombrosas, Porta Ruivas, Borrageiro, estradão que leva ao Marinho, Alto de Palma, Cidadelhe e até mesmo, o Altar de Cabrós...enfim, uma maravilha.

Depois de almoço, seguiu a rusga para o Curral dos Bicos Altos, também este um belo local, com abrigo ribeiro e sombras, abrigado naturalmente pelos Bicos Altos e montes circundantes.

Continuando a descer até o Curral de Pousada, e mais ainda até à Chã de Touro de Trigo, onde a este, virámos para a esquerda na direção da Ponte da Matança, para fechar o circulo e retornar ao ponto de partida. Um percurso de cerca de 11m, que valeu bem a pena ter feito.























Enviar um comentário