segunda-feira, 27 de julho de 2015

Tour dos Currais Extremos

Dificuldade: alta
Distância: 25,132km
Partida: Portela do Homem
Altitude mínima: 704
Altitude máxima: 1440

Coveiros - Absedo - Bezerros - Premoinho - Mestras








Bem cedo já ía a boa disposição, galgando os primeiros passos daquilo que teria no fim quase 25km de dificuldade alta. Dificuldades somadas entre, distância, perfil, temperatura e falta de água na serra, em particular neste ano corrente. A força da paixão, no entanto, está sempre a empurrar para a frente, e é o factor principal. 

Este "tour" dos currais extremos, levou-nos ao mais profundo da Serra, visitando variados currais já em desuso. Uma beleza estonteante, de escalas vastas e que convida o caminhante a permanecer e desfrutar com tempo da tranquilidade imponente e majestosa da maravilhosa Serra do Gerês.

Peito de escada acima, vai a trupe, em bom ritmo até aos Prados Coveiros. Pode-se agora, que a subida está limpa de mato, apreciar-se o trabalho árduo e engenhoso, das gentes idas para calçar o caminho com lajes de granito talhadas e de peso impossível em desníveis muito acentuados. Lá em cima, nos prados, talvez a maior concentração de gado que já vi nestas paragem: muitas vacas  com vitelos e também garranos. Lindo. Aqui o abrigo, em tempos idos, muito usado pelas gentes de Vilarinho, agora está em ruínas. 

Nova subida, agora em direção ao Curral do Absedo. Um local distante das vias principais da serra, muito aconchegante e também repositório de um núcleo de gravuras rupestres. Aqui cedo almoçámos, sabendo que a seguir as dificuldades seriam maiores, porque o calor estaria no máximo. Passando ao lado do curral da Abelheira, visitámos o curral de Bezerros, seguido de Premoinho e finalmente, o Curral das Mestras. O retorno fez-se intersectando o estradão dos Carris nas Águas Chocas, após contornar o Outeiro do Pássaro. O merecido banho numa bela lagoa do Rio Homem, foi retemperador. 

Quase a chegar à estrada, alguns banhistas ainda por ali andavam; apenas sonhassem o que já tinhamos andado, e as paragens que nossos olhos contemplaram...


















Enviar um comentário